Por Sabina Fuhr – 

O embaixador global da Pernod Ricard, o argentino Federico Lleonart esteve em Porto Alegre dias atrás, para apresentação de duas das linhas de vinhos representadas pelo conglomerado francês: a australiana Jacob’s Creek, a espanhola Campo Viejo.

Federico-Lleonart-Rodrigo-Albernaz-porto-a-porto
O embaixador global da Pernod Ricard, Federico Lleonart , e o gerente regional da Porto a Porto, Rodrigo Albernaz. (Foto: Sabina Fuhr

O evento exclusivo para imprensa aconteceu na sede da Porto a Porto, empresa responsável pela importação dos produtos da Pernod Ricard, uma das maiores companhias de bebidas do mundo. Foram servidos cinco vinhos enquanto o cozinheiro da importadora, Luis Felipe Carvalho Beck preparava o almoço.

taças-sabina-fuhr
Degustação de marcas da Pernod Ricard. (Foto: Sabina Fuhr)

Para começar, provamos o australiano Jacob’s Creek Sauvignon Blanc 2013. Vinho com aromas de frutas tropicais, corpo leve e boa acidez.

Jacobs-Creek-Sauvignon-Blanc-porto-a-porto.
Jacob’s Creek Sauvignon Blanc 2013 (Foto: Sabina Fuhr)

Na sequência dois vinhos da região de Rioja, o Campo Viejo Tempranilho 2011 e o Campo Viejo Reserva 2008. O primeiro, com aroma de frutas vermelhas maduras, baunilha e especiarias doces. Na boca, seco, corpo médio, acidez equilibrada e taninos macios. Meu preferido da degustação.

campo-viejo-tempranillo
Campo Viejo Tempranilho 2011. (Foto: Sabina Fuhr)

Já o segundo, produzido com as uvas Tempranillo, Graciano e Mazuelo, tem aroma de frutas vermelhas maduras (cereja, ameixa e amora) e especiarias (canela). Na boca ele é seco, corpo médio, boa acidez, final, macio e elegante.

campo-viejo-reserva
Campo Viejo Reserva 2008. (Foto: Sabina Fuhr)

Finalizamos a degustação com novamente com o australiano Jacob´s Creek. Desta vez com o Reserva Pinot Noir 2012 e o Shiraz 2011.

Jacobs-creek-pinot-noir
Jacob´s Creek Reserva Pinot Noir 2012. (Foto: Sabina Fuhr)

O Pinot tem aromas de frutas vermelhas, especiarias doces, ervas secas e notas de tostado. No paladar é seco, corpo leve, boa acidez, taninos muito finos, equilibrado e refinado. Já o Shiraz, om aromas de frutas negras maduras, com notas de chocolate e cedro. No paladar é seco, médio corpo, boa acidez, taninos bem estruturados, macio e sedoso  muito agradável.

jacobis-creek-shiraz
Jacob´s Creek Shiraz 2008. (Foto: Sabina Fuhr)

O almoço teve salada com mix de folhas verdes, tomate cereja, lascas de queijos, nozes e damascos.

salada-porto-a-porto
Mix de folhas verdes. (Foto: Sabina Fuhr)

Como prato principal risoto e maminha ao molho mostarda.

almoco-porto-aporto
Prato Principal. (Foto: Sabina Fuhr)

Trufas de café e de vinho do porto fizeram as vezes de sobremesa.

trufas-porto-a-porto
Foto: Sabina Fuhr

Vinícolas

Campo Viejo é um produtor de vinhos conceituado na Rioja desde que dois enólogos locais, Beristain e Ortigüela, plantaram na região ao norte da Espanha a primeira safra, em 1959. Até hoje a vinícola se destaca pela inovação que aplica à produção, além de ser símbolo da expressividade da região onde a uva Tempranillo reina absoluta.

Pernod-Ricard-porto-a-porto
Vinhos Jacob´s Creek e Campo Viejo. (Foto: Sabina Fuhr)

Verdadeiro ícone da indústria australiana, a vinícola Jacob´s Creek produz rótulos de personalidade e elegância. Se hoje o Vale Barrosa, no sul da Austrália, é conhecido pelos excelentes vinhos, o crédito é também do imigrante alemão Johann Gramp, natural da Bavária, que plantou seu primeiro vinhedo por lá em 1847. Jacob’s Creek originalmente é o riacho que atravessa a região. Ele emprestou o nome à famosa marca de vinhos produzidos pela Orlando Wine, fundada por Gramp. A empresa foi adquirida pela Pernod Ricard em 1989 e tem atualmente o tenista sérvio Novak Djokovic, o número 1 do mundo, como embaixador da marca.



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here