Um consumidor comum entende, e muito bem, que está numa época em que nem tudo o que se diz feito com zelo vai garantir qualidade e saúde alimentar.  Um simples presunto, aquela linda e apetitosa mortadela e uma tradicional linguiça, podem ter poucas proteínas, muita gordura e ingredientes químicos. Mas como, então, adquirir esses produtos sem que estejam mascarados? A engenheira de alimentos, Shana Yamaguchi, afirma que não é preciso ser expert para poder qualificar os alimentos do dia a dia, basta estar atento às informações do rótulo. Confira as dicas:

1ª – Fique atento à quantidade de proteínas. Quanto mais proteínas o produto tiver, maior será a quantidade de carne adicionada no processo de fabricação, exceto quando forem acrescentadas proteínas não cárneas como a proteína de soja. Mas, olhar somente a quantidade em gramas do nutriente na tabela nutricional é confuso e o consumidor não vai entender se aquela quantidade é alta ou não. Com isso, é mais fácil entender a porcentagem do valor diário (%VD), pois ela vai mostrar que a porção descrita na informação nutricional suprirá a necessidade diária do consumidor. Ou seja, se na tabela a proteína apresenta o valor 10% na %VD, quer dizer que aquela porção compreende a 10% de um total de 100% e que ela necessita ainda de 90% de proteínas para uma dieta de 2.000kcal, que é a quantidade estimada para um ser humano adulto.

 2ª – Carne Mecanicamente Separada (CMS). Existem legislações em nível nacional e estadual que asseguram a descrição de matéria-prima e como esse produto foi feito. O uso de CMS é outro ponto importante a ser observado, já que nesses casos, o processo mecânico retira a carne rente aos ossos incluindo também as cartilagens.  

3ª – Gorduras e sódio. Outra atenção que o consumidor deve ter na compra de embutidos é a quantidade de gorduras e sódio, pois a quantidade de gorduras é contrária à quantidade de proteínas. Quanto menor a quantidade de carne (geralmente paleta e pernil) adicionada ao produto, maior a quantidade de gordura (toucinho, retalhos, CMS) como substituto. Já em relação ao sódio, é importante verificar a quantidade descrita no rótulo, pois a Anvisa limita um valor de 2.400mg por dia.

 4ª – Corantes. Outro aspecto importante que deve ser levado em consideração são os corantes que muitas indústrias usam para deixar o embutido com uma cor mais intensa e atrativa, porém, nem sempre ele é natural.  

5ª – Fique atento à fiscalização. Procure comprar embutidos de empresas que possuem certificados nos órgãos fiscalizadores. Produtos sem a fiscalização adequada podem apresentar grandes riscos à saúde, devido à falta ou excesso de condimentos controlados pela legislação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here