A partir do mês que vem, as empresas terão de seguir determinadas regras para informar de forma clara a presença de 17 ingredientes que frequentemente causam alergias, como soja, leite e nozes. Essa medida também vale para produtos que contêm derivados dessas substâncias.

A regra define que as informações sobre os ingredientes alergênicos devem ser reunidas e apresentadas no rótulo da seguinte forma: em letras maiúsculas e em negrito, em uma cor que contraste com a do fundo.
Produtos fabricados até o final do prazo de adequação, 3 de julho, podem ser comercializados até o fim de seu prazo de validade.

A iniciativa foi aprovada em 2015 após uma grande mobilização de entidades e grupos de pais de crianças alérgicas, que enfrentam dificuldades para identificar quais alimentos seus filhos podem ou não consumir.

No Brasil, estima-se que de 6% a 8% das crianças com menos de 6 anos de idade sofram de algum tipo de alergia. Na maior parte dos casos, a única providência possível é evitar o consumo dos alimentos que causam a alergia.

Como ler rótulos

A tendência mundial de cuidados com a alimentação saudável e a saúde tornaram obrigatória a inclusão de informações nutricionais nos rótulos. Apesar disso, muita gente ainda tem dificuldade em entender aquilo que vem informado nas embalagens e acaba não fazendo a análise que deveria daquelas informações. Segundo a nutricionista Fabiane Alheira, uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) mostrou que 80% das pessoas acham importante a leitura dos rótulos de alimentos, porém, apenas 40% delas o fazem.

Sobre as diferenças entre as bebidas de frutas, Fabiane alertou que as Instruções Normativas publicadas em 2013 com o objetivo de levar à população informações claras e precisas sobre a porcentagem de suco foi importantíssima para esclarecer os consumidores sobre o produto que estavam comprando. “Quando tinha um suquinho com esse apelo de todo natural, os mais desavisados pegavam da gôndola e colocavam no carrinho. Aí davam pro seu filho na escola, felizes da vida achando que estavam consumindo um produto natural de qualidade.” Atualmente, as bebidas devem ser classificadas como refresco quando contêm de 5 a 20% de suco natural da fruta, como néctar quando contêm de 20 a 30% de suco da fruta e suco integral quando é feito com 100% de suco da fruta.

* Com informações do Idec e EBC



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here